HThe
Hm

Notícias na Florêncio de Abreu

Listando: 1 à 5 de 1239
WhatsApp poderá ativar pagamentos e transferências no Brasil

Casamento entre mídias sociais e serviços de finanças foram destacados pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto

O Banco Central autorizou nesta terça-feira, 30, o funcionamento de recursos que permitem pagamentos pelo aplicativo de mensagens WhatsApp. A empresa Facebook Pagamentos do Brasil foi aprovada como um "iniciador de pagamentos", de maneira que os usuários do mensageiro poderão transferir recursos entre si.

Em nota, o BC informou ainda que foram concedidas autorizações para dois arranjos classificados como abertos de transferência, de depósito e pré-pago, domésticos, instituídos pela Visa e pela Mastercard.



Vista do aplicativo de mensagens WhatsApp na tela de um telefone. 3/8/2017. REUTERS/Thomas White
Foto: Reuters

"Esses arranjos e instituição de pagamentos têm relação com a implementação do programa de pagamentos vinculado ao serviço de mensageria instantânea do WhatsApp (Programa Facebook Pay). As autorizações permitem que ele seja utilizado para realizar a transferência de recursos entre seus usuários", diz o BC em nota divulgada há pouco.

O BC esclarece que as autorizações de hoje não incluem os pleitos da Visa e Mastercard para funcionamento dos arranjos de compra vinculados ao Programa Facebook Pay, que seguem em análise.

"O BC acredita que as autorizações concedidas poderão abrir novas perspectivas de redução de custos para os usuários de serviços de pagamentos", acrescenta.

O WhatsApp lançou em 15 junho do ano passado um serviço de envio e recebimento de dinheiro no Brasil, mas uma semana depois teve o serviço suspenso pelo BC, sob a justificativa de que era preciso avaliar questões de competição e privacidade. Desde então, o BC vinha analisando o pleito e as regras para funcionamento.

Hoje mesmo, em evento virtual Encontro Daycoval - Perspectivas Econômicas e de Investimentos para o Brasil 2021, que teve o apoio do Broadcast e do Estadão, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, destacou o casamento entre mídias sociais e serviços de finanças, sem citar diretamente o andamento do pedido do WhatsApp.

"Há um movimento de uso de mensagens por meio do Pix (o novo sistema de pagamento criado pelo BC). A sociedade usou sistema de pagamentos como mensageira porque tem demanda por misturar esses serviços", completou. Ele também falou da preocupação com os casos recentes de vazamento de dados pessoais no Brasil. "Não podemos criar ambiente de tecnologia sem cibersegurança bem feita", disse.

(Fonte: Sandra Manfrini) - 02/04/2021
Google quer acabar com cookies, mas anunciantes têm nova alternativa

Google aposta no sistema FLoC para substituir cookies de terceiros, mas grupo de empresas propôs outra solução: o SWAN

Cookies se tornaram um mecanismo tão recorrente para exibição de anúncios que, hoje, afetam a privacidade do usuário. O Google faz parte de um movimento que quer acabar com isso e, como opção menos invasiva, vai testar um sistema chamado FLoC. Mas, em breve, poderemos assistir a um conflito: um grupo de empresas de publicidade propôs um sistema diferente, de nome SWAN.


Google Chrome
Foto: Bruno Gall De Blasi/Tecnoblog / Tecnoblog

Um cookie é um pequeno arquivo de texto com dados criados originalmente para facilitar a navegação em sites. O problema é que, aos poucos, esse recurso passou a ser usado para exibir anúncios publicitários direcionados. Quando você acessa uma loja online e anúncios do produto pesquisado passam a te "perseguir", em parte, isso é possível graças aos cookies.

Como já dito, há um movimento que tenta acabar com isso. O Google fala em deixar de suportar cookies de terceiros no Chrome até 2022, por exemplo. A Mozilla também vem implementando restrições a cookies em seu navegador: desde fevereiro, o Firefox conta com o recurso Total Cookie Protection, que dificulta o uso de cookies para rastreamento de navegação.

Entretanto, muitas empresas são fortemente dependentes de anúncios online, a exemplo do próprio Google. Diante disso, a companhia vem defendendo a adoção de um sistema batizado de Federated Learning of Cohorts (FLoC).

Funciona assim: no lugar dos cookies, o FLoC é executado localmente para analisar o padrão de navegação do usuário — sem que o seu histórico de navegação seja compartilhado com o Google — e colocá-lo dentro de grupos (coortes) de pessoas com interesses semelhantes.

Cada grupo é muito bem categorizado para que anúncios condizentes com os interesses dos usuários possam ser exibidos a eles.

Para o Google, o FLoC é uma alternativa viável por ter potencial de proporcionar bons resultados aos anunciantes e, ao mesmo tempo, manter a privacidade do usuário por não permitir que ele seja facilmente identificado.

Outras empresas querem o SWAN
Para algumas gigantes do mercado de publicidade online, o FLoC tem um problema: ser uma criação do Google, a companhia que domina o segmento. É por isso que um grupo formado por empresas como PubMatic, OpenX and Zeta Global anunciou uma alternativa chamada SWAN.

O funcionamento é diferente e, aparentemente, mais simples: quando o usuário visita um site coberto pela ferramenta, recebe uma solicitação para autorizar (ou não) a exibição de anúncios pelas empresas que fazem parte da rede.

Usuários também podem informar se querem ou não receber anúncios personalizados. As suas configurações são então armazenadas e compartilhadas com os demais participantes do SWAN. Note que, aqui, a autorização vale não só para o site inicial, mas para todos aqueles que exibem anúncios das empresas cobertas pelo SWAN.

O SWAN também tem a proposta de permitir que o usuário altere suas preferências a qualquer momento. Quando a atualização for feita, passará a valer em todos os sites participantes.

Google testará o FLoC
É difícil saber se o SWAN vingará. A solução parte da premissa de que o usuário será proativo na autorização de anúncios. Pode parecer que perguntar antes é um bom mecanismo de proteção à privacidade, mas, provavelmente, a maioria dos usuário dará autorização simplesmente para fazer a solicitação sumir da página.

O FLoC tem mais chances de sucesso por ser comandado pela empresa que domina o setor. Não por acaso, o Google iniciará os testes em breve, começando por países como Austrália, Brasil, Canadá, Estados Unidos e Japão. Países europeus ficarão de fora dos testes por conta das preocupações com o GDPR.

É possível, porém, que o SWAN não seja o único obstáculo para o FLoC. Grupos de defesa da privacidade já manifestam preocupação com o sistema. A Electronic Frontier Foundation (EFF), por exemplo, teme que, no fim das contas, o FLoC facilite a identificação do usuário por conta dos vários perfis que podem ser criados para ele.

Além disso, o Google está sob investigação antitruste. Consequentemente, há a desconfiança de que, mais do que a preocupação com a privacidade, o FLoC vise aliviar a situação da empresa.

APPS & SOFTWARE

OnlyOffice é um pacote gratuito de programas de escritório que pode servir como alternativa aos tão conhecidos produtos pagos da Microsoft. Para usufruir desses softwares é simples. Basta fazer o download via site de acordo com o sistema operacional do seu dispositivo (está disponível para Windows, macOS e Linux, bem como para Android e iOS), fazer a instalação e começar a usá-lo.

Na prática, o OnlyOffice cria um atalho na tela inicial – seja do computador, seja do celular. Ele é uma espécie de hub que vai concentrar os programas Documento, Planilha e Apresentação, que nada mais são do que cópias do Microsoft Word, Excel e PowerPoint, respectivamente. A palavra certa é “cópia” mesmo porque os softwares têm aparência e funcionalidades bem semelhantes às da empresa de Bill Gates.

Quando o assunto é usabilidade, todos os programas se portam muito bem, sendo fácil de criar e salvar arquivos. Também vale ressaltar que o OnlyOffice está totalmente em português.
Ainda é importante destacar que a versão gratuita do OnlyOffice é voltada para usuários finais.

Empresas e profissionais podem contar com soluções mais robustas – porém, é necessário pagar por isso. Os planos começam a partir de R$ 149, sendo que o valor é pago uma única vez. É possível testá-lo por 30 dias.

(Fonte: Cottonbro no Pexels) - 24/03/2021
Nova seção de criptomoedas do Google destaca Bitcoin, Ethereum e Litecoin

O maior mecanismo de busca do mundo, o Google, adicionou uma nova seção de finanças de criptomoedas, e em destaque estão o Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH) e Litecoin (LTC).

O Google Finance adicionou uma seção para as criptomoedas, onde possui os resumos do preço, “principais estatísticas” e as últimas notícias do mercado cripto.

A incorporação de criptomoedas pelo Google, segue uma longa onda de aceitação das criptomoedas em massa.

As gigantes de pagamentos como Square, PayPal e Skrill têm criptomoedas integradas em suas plataformas, o que impulsiona o mercado.

Instituições financeiras tradicionais como JP Morgan e Goldman Sachs, sinalizaram seu interesse no bitcoin.

O Banco mais antigo dos EUA, Bank Of New York Mellon (BNY), anunciou em fevereiro, que pretende começar a financiar bitcoin e outras criptomoedas por meio de serviço de custódia.

O banco vai permitir que as criptomoedas passem pela mesma rede financeira que as transações tradicionais.

O BNY está estudando o mercado de criptomoedas para estruturar os ativos digitais há dois anos.

O chefe digital do BNY e CEO de serviços de ativos, Roman Regelman, comentou que a instituição tem orgulho de ser o primeiro banco global a anunciar que financiará custódia de BTC.

Segundo o Google Trends, mais usuários estão pesquisando por bitcoin conforme o interesse em grande escala atingem níveis históricos.

Embora o Google tenha exibido as principais criptomoedas por padrão na nova seção, outros ativos digitais podem ser encontrados nos resultados da pesquisa.

A adoção institucional dos ativos digitais tem impulsionado cada vez mais o mercado cripto.

(Fonte: Miriam Romao) - 16/03/2021
NOVIDADES PARA MOTOCICLISTAS: ATUALIZAÇÃO DO CÓDIGO DE TRÂNSITO

Lei 14.071/20 entra em vigor em Abril

Aprovado no ano passado, a atualização no Código de Trânsito Brasileiro apresenta novas regras para os motociclistas, fique atento às mudanças que entram em vigor em Abril.

As principais novidades são:

CORREDORES DE MOTO
Nova lei do Código de Trânsito Brasileiro permite ao motociclista andar nos famosos “corredores de moto”, com as seguintes regras:

Liberação da passagem entre os veículos quando o fluxo estiver parado ou lento.
A passagem deve ocorrer entre as duas faixas à esquerda, quando tiver mais de duas faixas de circulação
A velocidade do motociclista deve ser compatível com a segurança de pedestres, ciclistas e demais veículos.
RENOVAÇÃO DE CNH
Atenção! O tempo para renovação da carteira de habilitação foi reajustado. A validade dos exames de aptidão física e mental teve alteração para motoristas:

Com até 50 anos, válido por 10 anos.
50 a 70 anos Continua a mesma validade de 5 anos.
Com mais de 70 anos: a validade é de 3 anos.
SUSPENSÃO DO DIREITO DE DIRIGIR
A CNH será suspensa, caso o condutor atingir, no período de doze meses, as seguintes condições:

20 pontos: Se na carteira constarem a partir de duas infrações gravíssimas;
30 pontos: Na condição de possuir apenas uma infração gravíssima
40 pontos: Caso não tenha nenhuma infração gravíssima.
Para quem exerce atividade remunerada a CNH será suspensa se o condutor atingir quarenta pontos, mesmo não tendo cometido nenhuma infração gravíssima.

INFRAÇÕES LEVE E MÉDIA
A multa para motoristas com infrações leve ou média, poderá ser imposta a penalidade de advertência por escrito, passível de ser punida com multa. Mas, só será válido caso o infrator não tenha cometido nenhuma outra infração nos últimos 12 meses.

IDENTIFICAÇÃO DO CONDUTOR INFRATOR
O proprietário do veículo terá um prazo de 30 dias para informar o infrator, a partir da data da autuação.

CONDUZIR CRIANÇAS EM MOTOCICLETAS
A idade mínima para levar criança em motocicletas sofreu alteração: passou de 7 para 10 anos. A penalidade para quem descumprir a regra será a suspensão do direito de dirigir.

PORTE DA CNH
O porte do documento de habilitação será dispensado quando, no momento da fiscalização, for possível ter acesso ao sistema informatizado para verificar se o condutor está devidamente habilitado.

CAPACETE SEM VISEIRA
A principal mudança está na questão do uso de capacete, anteriormente a utilização de capacete sem viseira ou óculos de proteção era punida como infração gravíssima, punível de suspensão de dirigir. Com a atualização, a infração por não utilizar capacete com viseira ou óculos de proteção passar a ser considerada infração média.

CAPACETE SEM VISEIRA – PASSAGEIRO / GARUPA
Conduzir motocicleta com garupa utilizando capacete sem viseira ou viseira levantada também é passível de infração média.

FAROL DE MOTO APAGADO
Guiar com o farol da moto apagado, não é mais considerado infração gravíssima, por tanto não gera a suspensão da habilitação. A conduta ainda assim será punível, mas agora como infração média.

Listando: 5 de 1239

Anuncie

Sobre o Portal da Florêncio de Abreu

O Portal da Florêncio de Abreu foi lançado em 01 de janeiro de 2002, tendo como objetivo principal a divulgação de empresas e produtos comercializados na região da rua Florêncio de Abreu no centro da cidade de São Paulo, focando-se principalmente em produtos voltados para a área de ferramentas e ferragens.